top of page

Pão dos Pobres completa 128 anos e apresenta primeira etapa do restauro do seu prédio

Cerimônia de acendimento da nova iluminação da fachada ocorrerá no dia 15 de agosto de 2023

Fachada restaurada da Fundação Pão dos Pobres - crédito José Carlos Andrade

A Fundação O Pão dos Pobres de Santo Antônio completa 128 anos de atuação, e vai marcar o seu aniversário com a entrega da primeira etapa do restauro da sua fachada. A frente do prédio, posicionada para as avenidas Praia de Belas e Borges de Medeiros será iluminada no dia 15 de agosto de 2023, às 19h para exibir o resultado da fase inicial da requalificação. A edificação vem sendo restaurada desde 2017 pela equipe Studio 1 Arquitetura, sob o comando do arquiteto Lucas Volpatto, já passou por diversas fases e vem buscando apoio para conseguir dar andamento às próximas etapas. Até o momento, metade do projeto foi concluído. O edifício foi tombado em 2004 pelo município de Porto Alegre devido à peculiaridade e riqueza de suas características arquitetônicas e pela sua importância histórica. “Estamos muito satisfeitos por devolver nosso patrimônio histórico à sociedade. O prédio tombado é um dos mais lindos cartões postais da cidade e o Pão dos Pobres realiza, por meio da administração Lassalista, um trabalho social de excelência. Tudo o que fazemos só é possível graças à arrecadação financeira oriunda prioritariamente de empresas, doações espontâneas de pessoas físicas, destinação de verbas por meio de convênios públicos e sociedade civil. Sentimo-nos amparados e motivados a levar adiante nossa missão,” destaca o diretor-geral da entidade, Irmão Albano Thiele.

Sobre O Pão dos Pobres

O Pão dos Pobres surgiu em 1895, a partir da iniciativa solidária do Cônego José Marcelino de Souza Bitencourt, que buscava amparar as viúvas e os filhos de vítimas da Revolução Federalista. A guerra civil ocorreu na Região Sul do Brasil, entre 1893 e 1895, poucos anos após Proclamação da República. Atualmente, a Fundação atende em torno de 1,4 mil crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, com idades de zero a 18 anos incompletos. Desse total, 120 residem em casas de acolhimento da Instituição. Eles recebem todas as condições de proteção e desenvolvimento pessoal, conforme suas faixas etárias, como alimentação adequada, acompanhamento de equipes multidisciplinares, compostas por psicólogos, assistentes sociais e educadores, além de inserção na escola regular, atividades culturais e esportivas. Existem, também, os Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos e o de Educação Integral, que atendem 210 crianças nos em turnos inversos ao escolar. Há, ainda, o serviço de Aprendizagem Profissional, com a oferta semestral de 13 cursos que preparam os jovens a partir de 14 anos para o mercado de trabalho.

Prédio histórico tombado e restaurado

O atual prédio da Fundação O Pão dos Pobres de Santo Antônio foi concebido pelo arquiteto alemão Joseph Lutzenberger, pai do ambientalista gaúcho José Lutzenberger, para abrigar viúvas e crianças que ficaram órfãs durante a Revolução Federalista. A pedido da Arquidiocese de Porto Alegre, ele foi construído para acolher famílias carentes que já eram atendidas pela Fundação. Em 1929 a edificação foi concluída e inaugurada com auxílio de donativos da sociedade porto-alegrense. O edifício foi tombado em 2004 pelo município de Porto Alegre devido à peculiaridade e riqueza de suas características arquitetônicas, além da sua importância histórica. Desde o início da requalificação, em 2017, o prédio já passou por diversas fases e depende de apoio financeiro para a conclusão dos 50% restantes.

A primeira etapa do restauro, que é a fachada principal, foi realizada com recursos próprios da Fundação e será entregue no dia 15 de agosto. O trabalho está sendo realizado pela Studio 1 Arquitetura, sob o comando de Lucas Volpatto. Uma equipe multidisciplinar de restauradores, historiadores e arquitetos realizou um estudo minucioso sobre a construção da edificação. Vários detalhes foram se revelando ao longo do processo, e a edificação terá seus tons originais de volta, além do restauro do grupo escultórico e o muro da Baronesa. No dia do aniversário da Fundação, a fachada será exibida com a implantação da iluminação cênica.

Fonte > Edith Auler - Evidência Press

Opmerkingen


bottom of page