Mais que amigos, irmãos

Por Luigi Bitencourt



Crédito da imagem: Grasielle Rizzi

Nesse mês que estamos as crianças ganham um destaque especial. E para presentear vocês leitores, a coluna pet resolveu contar uma bela história de muito amor, união e fofura, de uma linda menina chamada Giovanna e seu fiel companheiro canino Odin e também passar várias dicas sobre como oferecer um convívio saudável entre cachorros e crianças.


Como tudo começou


A história da vida real começou no ano de 2018, quando a pequena Giovanna nasceu. Seus pais, Guilherme e Grasielle, já tinham em sua residência um cão chamado Odin e estavam muito felizes com a chegada de sua primeira filha. Porém aflitos, sem saber como seria a adaptação do cão e da recém-nascida, mas tinham a certeza que fariam de tudo para os dois se darem bem. Grasielle lembra que seu marido usou de uma tática, tanto quanto inteligente, para fazer com que seu pet já se acostumasse com a presença da bebê que iria chegar. Levou algumas peças das roupinhas para o cão farejar e assim ir se familiarizando.


cão companheiro
Crédito da imagem: Grasielle Rizzi

Enfim o dia tão esperado chegou e finalmente Guilherme apresentou a menina para o cão Odin, que a farejou e assim começa a história de amizade dos dois. Grasielle relembra como era a reação do cão no inicio: “nos primeiros meses que a Giovana passava mais tempo dormindo, o Odin ficava deitado no chão, nos pés do berço. E toda vez que ela acordava ele já corria para nos chamar. Era a coisa mais linda de se ver”.


Conforme Giovanna foi crescendo a interação entre ela e o cão foi aumentando e o amor se intensificando cada vez mais.


Travessuras entre os irmãos


Com o passar dos anos Giovanna e Odin criaram uma super conexão e ela começou a chamá-lo de mano. Como a maioria dos irmãos, de vez em quando rola aquelas travessuras entre os dois, que resultam em boas risadas no futuro. Por exemplo, a Giovanna, quando bebê, adorava jogar comida para ver o Odin pegar. Com o passar dos anos seus pais ensinaram que isso não é um hábito saudável, para o pet, e hoje em dia, às vezes, ela costuma jogar petiscos (claro que sempre respeitando o limite recomendado desse tipo de snack canino).


Crédito da imagem: Grasielle Rizzi

Já o cão é super obediente, pois já foi treinado. Porém devido ao seu grande porte já ocorreu pequenos incidentes, mesmo sem querer. A mãe relembrou o dia do primeiro susto, quando sua filha estava com um brinquedo do cão, em sua mão, e demorou em jogar para ele. O mesmo foi correndo em sua direção, na intenção de pegar o brinquedo, e acabou derrubando a menina no chão. Os pais da criança foram ajudar e ela caiu na risada. Graças a Deus não ocorreu nada grave, porém eles ensinaram algumas regrinhas para evitar futuros acidentes e, hoje em dia, os dois conseguem brincar juntos e muito felizes. É muito importante lembrar que toda interação entre cães e crianças deve ser sempre fiscalizada, por adultos, para evitar qualquer dano para ambos.


cão amigo
Crédito da imagem: Grasielle Rizzi

Muito amor e companheirismo


Giovanna, apesar de pequena, já demostra uma grande preocupação e afeto com seu irmão canino. A seguir Grasielle narra como ela se comportou quando seu mano teve um problema de saúde: “a Giovana se preocupa com ele, com a alimentação, com a saúde. Quando ele precisou fazer uma cirurgia na orelha, enquanto nós estávamos limpando os pontos, ela ficava ao nosso redor cuidando tudo e comentando o que estávamos fazendo. Depois pegava seus brinquedinhos de médico e ia brincar cuidando dele”. Se vocês curtiram essa dupla fofa e muito carismática e quiserem continuar acompanhando os dois, sigam no instagram(@odinsrd).



Dicas de profissional


A coluna pet também bateu um papo com a veterinária Mariana Brino, instagram(@maribrino), que contribuiu com várias dicas sobre como oferecer uma boa convivência entre cães e crianças:


Eléve (Luigi) - A partir de que idade você considera uma convivência segura entre cães e crianças?


Mariana - Precisamos ensinar desde pequeninos que os animais não são brinquedos, quando muito pequenos eles realmente não tem noção do toque e muitas vezes podem machucar o animal, por isso o ideal é sempre ter algum adulto junto monitorando o animal e a criança. Acho que o mais importante são os pais ensinarem a criança e monitorar essa convivência.


Eléve (Luigi) - Supondo que um casal tenha um cão e resolva ter filhos. Cite algumas dicas para oferecer uma boa adaptação, entre o pet e a criança.


Mariana - Sempre se lembrar de dar atenção ao pet também. Quando o nenê chega muitas vezes o pet acaba ficando um pouco de lado e isso pode provocar alterações de comportamento no animal. Uma boa dica é fazer o animal participar de todo processo, mostrar o quartinho, mostrar as roupinhas, deixar o animal farejar o ambiente e quando nasce fazer a apresentação correta do animal ao recém-nascido.


Eléve (Luigi) - Que cuidados são fundamentais para que as crianças não irritem e estresse o cão?


Mariana - Ações de puxar rabos e orelhas, apertões, abraços e o efeito Felícia podem não agradar ao animal. Precisamos respeitar o espaço do pet e ensinar a criança a respeitar também.


Eléve (Luigi) - Quais os cuidados que devemos ter para os cães não machucar as crianças?


Mariana - Quando forem animais que não são do nosso convívio, ensinar a criança a sempre perguntar ao tutor do animal se pode fazer carinho no mesmo, isso evita muitas aproximações e acidentes. Quando o cão for do convívio familiar, cuidar ações como rosnados, latidos em excesso e comportamentos de medo. Nem sempre o animal vai querer brincar, é preciso respeitar.


Eléve (Luigi) - Os cães tendem a ter ciúmes com as crianças novas no lar? como lidar com essa situação?


Mariana - Ele precisa continuar a receber o carinho que sempre recebeu, precisa se sentir amado como sempre foi. Hoje já existem alguns feromônios no mercado que auxiliam o animal nessa adaptação do recém-chegado e especialistas comportamentalistas que podem auxiliar também.


Eléve (Luigi) - Cite os cuidados que devemos ter com a higiene dos cães para ter uma convivência segura com as crianças.


Mariana - Manter o animal em um ambiente limpo, sempre recolher as fezes e urina. Pode-se limpar as patinhas pós-passeio. E lembrar que, nós humanos, também precisamos manter nossos hábitos de higiene.


Eléve (Luigi) - Quais brincadeiras você indicaria para realizar entre crianças e cães?


Mariana - Brincadeiras de lançar bolinha, esconde-esconde, a criança pode escovar o animal (ajuda a criar vínculo entre eles), ensinar a criança a guiar o animal corretamente pela guia (nunca a deixar puxar ou arrastar o animal). O principal é ensinar que o pet NÃO É BRINQUEDO, é um ser vivo e merece ser respeitado, se a família não vai conseguir cuidar corretamente do animal é melhor comprar um cãozinho de pelúcia.



Autor: *Luigi Bitencourt é um jornalista apaixonado pelo mundo pet.

Para ler mais matérias em sua coluna clique aqui.